"Festina Lente"
(Apressa-te Devagar)

Luiz Marins

 

Octavius Augustus (Caivs Jvlivs Caesar Octavivs Avgvstvs), Imperador Romano - 27 a.C. a 14 d.C. é considerado pela Dicta Sapientia Latina o autor desta frase atribuída a muitos – Festina Lente – “Apressa-te Devagar”.
Esta sabedoria milenar deve nos levar a uma reflexão profunda nos dias de hoje. Tanta correria. Globalização. Rapidez. Velocidade....
Sem dúvida a disponibilidade e velocidade da informação global nos dá uma sensação irresistível de “pressa”. Porém, temos que ter a sabedoria para distinguir “velocidade” de “pressa”. Não há dúvida que, hoje, os velozes vencerão os lentos. Mas “velocidade” não é “pressa”. Ser “veloz” é saber adequar a velocidade às condições da estrada (no caso de um automóvel, por exemplo) ou do tempo (no caso de um avião) ou do mar (no caso de um barco ou navio).  Ter “pressa” sem atentar para as condições de segurança é buscar um acidente que poderá ser fatal. E a maioria dos acidentes por falha humana ocorre justamente pela imprudência da  “pressa”.
Assim é na vida pessoal e profissional de cada um de nós. Assim é na vida empresarial e na própria empresa como organização. Temos que ser velozes, ágeis, rápidos no decidir e no agir. Mas, sem “pressa”.  A pressa é inimiga da perfeição – a velocidade, não.
É preciso saber dar tempo ao tempo para que as coisas realmente amadureçam e aconteçam. É preciso compreender que a aprendizagem de novos conceitos, atitudes e comportamentos leva algum tempo. É preciso compreender que para que nossa empresa e nossos produtos sejam realmente conhecidos e absorvidos pelo mercado, leva algum tempo – às vezes, alguns anos. E não há como “atropelar” o tempo. E como dizia Alexis Carrel, “ninguém ultrapassa impunemente os limites da natureza”. Os que querem atropelar o tempo pagarão por essa imprudência.
Nos estudos que temos feito, constatamos que uma empresa, hoje, leva, no mínimo cinco anos para ser realmente “reconhecida” pelo mercado e começar a dar resultados positivos. Isso se ela se mantiver no seu foco e fizer tudo muito bem feito.

Vejo empresários que ficam ansiosos querendo resultados imediatos. Querem que o mercado prestigie sua marca, sua empresa. Isso não acontecerá a não ser depois de algum tempo. A maioria dos empresários e empreendedores não agüentam esperar esse tempo. Fecham antes. Têm pressa e mudam de ramo, setor. Mudam sua filosofia, sua postura frente ao mercado. Quando isso ocorre, o mercado simplesmente ignora suas empresas, não as reconhece. É preciso dar tempo ao tempo. É preciso ser veloz, mas sem pressa.
Repito que não há dúvida que, hoje, os velozes vencerão os lentos. Temos que ter agilidade e velocidade em tudo o que fizermos. Mas lembre-se que alguns dos maiores problemas que temos podem ter como causa a pressa. A pressa é inimiga da perfeição. Comer com pressa faz mal à saúde. Uma fruta com seu amadurecimento “acelerado e apressado” pelas modernas técnicas agrícolas não tem o mesmo gosto gostoso que só o crescimento natural pode proporcionar. E assim é a vida.
Será que temos a sabedoria para distinguir velocidade de “pressa”? Planejamos nossa vida e nossas atividades para sermos velozes e não precisarmos ter “pressa”? E em nossa empresa? Sabemos e vivemos essa distinção? Ou fazemos tudo “apressadamente” com as conseqüências que já conhecemos?

 

Para vencer nos dias de hoje a receita é: Apressa-te devagar! 

 

www.anthropos.com.br