Empregos Guia RH

Mudanças, Empregabilidade e Felicidade

Ao longo destes últimos anos, vários conceitos bombardearam o cenário administrativo. Tecnologias milagrosas de gestão, teorias acadêmicas de última geração, “perfumarias” de toda a espécie transitaram livremente pelas livrarias nos convidando a uma leitura, no mínimo, obrigatória, porém, critica um dos postulados que durante anos foi à tônica de muitas posições gerenciais “bem-sucedidas”, dizia que “time que está ganhando não se mexe”.

A administração moderna questiona essa afirmação, em que pese o fato de que vivemos num mundo de mudanças constantes e inovações cada vez mais aceleradas. Dessa forma, um dos principais desafios do verdadeiro administrador profissional será, justamente, gerenciar as variáveis decorrentes destes novos cenários.

As transformações estão ocorrendo em várias frentes. Alterações significativas são vistas, por exemplo, nos meios social, educacional, político, econômico, empresarial, pessoal etc. Portanto, quando falamos em mudanças, devemos compreender que elas estão acontecendo em vários segmentos, em diversos pontos e de diferentes formas, mas a uma velocidade cada vez mais rápida.

Essas mudanças, principalmente aquelas provenientes do ambiente empresarial, possuem caracteres e resultados irreversíveis. Procedimentos e posturas que deram certo no passado não garantem sucesso no presente, pois o contexto hoje é outro e bem diferente.

Os vários sistemas administrativos já foram muito explorados sob a ótica da eficiência. Embora importante, a eficiência por si só é um conceito pequeno e limitado para os dias atuais. O que encerra essa idéia é um posicionamento muito voltado para a correta alocação de recursos, porém focado para dentro da empresa, da divisão, do departamento, do setor etc...mas não necessariamente sob a ótica do mercado.

Agora, as ações devem ser desenvolvidas em sentido contrário, ou seja, para o cliente. E nesse novo paradigma só se estabelece quem tem competência. Se um negócio vem dando sinais claros de crescimento e sucesso, é necessário avaliar por quanto tempo ainda essa euforia se fará presente.

Hoje, o mundo está “menor” e, ao mesmo tempo, globalizado. Depois da reengenharia, o crescimento contínuo e sustentado das receitas Revenue Enchancement passa a ser o novo foco das empresas. Por outro lado, suponha também uma equipe de trabalho que venha atuando corretamente e atendendo aos objetivos propostos. A primeira medida seria manter o curso normal das ações (mesmo porque, ‘em time que está ganhando não se mexe...’).

Porém, de um outro prisma, percebe-se que está equipe chegou ou está próxima do seu real limite. Novos resultados não virão se algo não for feito. Pouco valor será agregado ao negócio se essa equipe não crescer e se modificar. Crescimento este não necessariamente provocado por um aumento do quadro, mas, sim, de habilidades, competências, criatividade e sinergia.

A nossa relação profissional também vem passando por uma transição. É cada vez mais importante cuidar de nossa carreira com atenção, planejamento e carinho, como se fosse um “negócio” próprio, ou seja, temos de aprender que o mundo atual nos convida para que sejamos empregáveis, e ser empregável nada mais é do que reunir permanentemente as competências necessárias para atender às contínuas exigências do mercado de trabalho.

Hoje, é posição, praticamente, comum afirmar que o verdadeiro diferencial das empresas está apoiado nas competências e no contínuo desenvolvimento das pessoas. Esta é a nova regra do jogo. Segundo estudos já realizados, na virada do século, não existirão mais as relações formais de trabalho como hoje ainda praticamos e conhecemos. A maioria de nós será prestadores de serviços. A própria Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) tende a desaparecer.

 Se estas previsões são oriundas de profetas de plantão ou de consultores revolucionários, somente o tempo irá confirmar. O certo, entretanto, é que o telefone celular já foi um sonho, a Internet era algo pouco admissível anos atrás e o próprio cinema foi visto com desconfiança por alguns.

Mudanças ainda maiores estão por acontecer. Acreditar nessa realidade e ter predisposição para aceitá-la, sem dúvida, já é um começo. Sem dúvida já é uma mudança.

Mexa-se...Aprenda a conviver com estes novos tempos; acredite nos seus sonhos, lute para realizá-los e, acima de tudo, seja feliz.

Roberto de Oliveira Loureiro. Professor de Graduação e Pós-Graduação da Fundação Armando Álvares Penteado – FAAP, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Faculdades Associadas de São Paulo – FASP e Universidade São Judas Tadeu. robertloureiro@uol.com.br