Só eu tenho dúvidas?

Estamos vivendo na era da mudança, da transformação, na qual todas as verdades se tornam questionáveis.

Perguntamos com mais freqüência por que e como seguir determinada carreira, o que fazer com o nosso tempo livre, como estar sempre atualizado, como aliar realização profissional à realização pessoal.

Com certeza, cada indivíduo tem as suas próprias respostas, mas como encontrá-las se o tempo só permite agir e não pensar porque agir. E é neste momento que optamos por fazer ou não a diferença no mundo.

Buscar respostas é uma atividade que exige auto-análise e reconhecimento das próprias habilidades, desejos, deficiências, exigências, etc. Para tanto, o segredo está em dedicar-se a ouvir o Eu. Em nossas vidas, tantas coisas ajudam para nos despersonalizar que nossa essência vai se perdendo e, sem saber quem somos, estamos sendo aquilo que os outros esperam de nós.

Existem diversas formas de exercitar esta atividade. Alguns preferem o uso de terapias profissionais ou alternativas; outros encontram melhores resultados na prática da meditação ou relaxamento; outros escolhem atividades físicas ou viagens; e existem também programas de treinamento que enfocam este questionamento. O importante é decifrar e desenvolver a sua própria técnica. Não existem regras, e você pode até descobrir que escrever ou ler provocam descobertas maravilhosas.

As descobertas são muitas, mas os caminhos encontrados podem significar grandes mudanças. Você pode querer mudar de carreira, país, construir uma família ou descobrir que está no caminha certo, mas precisa de aprimoramento. Se algum destes for o seu caso, nada melhor do que tomar cuidado com as armadilhas que o fazem permanecer na sua zona de conforto. Atenção a elas:

  1. A culpa. No momento em que se decide por uma mudança nos abrimos imensamente à criatividade, mas também nos abrimos à insegurança e dúvidas. Acabamos por nos culpar pelas certezas abandonadas, ou até mesmo, projetamos a culpa em nossos amigos, parentes, colegas. Neste momento, é importante lembrar a missão pela qual vale a pena qualquer tentativa, e que esta será no mínimo um aprendizado maravilhoso.
  2. A referência. Algumas decisões, atitudes ou desejos do passado podem se ver abandonados em função dos novos objetivos. Abandonar a referência do passado, aquilo que nos impulsionou até o presente momento também é uma tarefa difícil e requer atenção. O passado é ferramenta de crescimento, aprendizado, experiência, mas esteja alerta para não viver do passado.
  3. A expectativa. O mundo depende de interações, portanto as coisas não serão sempre do jeito que você imagina, mas sim do jeito que as interações permitem. Use a sua energia para desempenhar o melhor papel em cada nova interação. Entender isso permite que se substitua a força das expectativas pela força de viver o instante simplesmente porque ele é seu. Viver cada acontecimento como único permite aprender com ele, ao invés de permitir a insatisfação por não ter sido como queríamos.
  4. O fato. Não fique procurando justificativas e desculpas para cada passo. Para tomar decisões, mudar rumo, ou até mesmo para reconhecer que está no rumo certo e agir para aperfeiçoar não precisamos de explicações. Simplesmente basta o fato de querer e acreditar naquilo. As verdadeiras descobertas acontecem de dentro para fora.
  5. O tempo. Dedique tempo a você. Procure sempre o equilíbrio físico e mental. Cuide da sua saúde e da sua família. Tenha projetos pessoais e sociais. O estado de alerta deve entrar em ação quando você estiver realizando algo sem saber porque ou com que objetivo. Presenteie-se com o tempo do questionamento.
  6. O conhecimento. Seja qual for a descoberta feita, o conhecimento e o desenvolvimento pessoal serão sempre de extrema importância. Recicle sempre o seu conhecimento. Use os meios de comunicação, cursos, treinamentos, troca de informações, grupos de estudo. Procure identificar suas habilidades e aquilo que a cada momento é importante aprimorar.
  7. O objetivo. O objetivo pode se tornar uma armadilha quando não conhecido. A cada nova descoberta, escreva o seu objetivo, torne-o público, trace metas. Aprendemos a caminhar tentando, mas de nada adianta se não sabemos onde queremos chegar.

Para dar o primeiro passo, basta lembrar que é necessário ter muita força para extrair o melhor de cada dia, mas é necessário ter muita coragem para fazer cada dia melhor.

Graziela Merlina - sócia-diretora da Apoena Consultoria e Treinamento de Recursos Humanos.