A Parte Cheia do Cálice Chamado Brasil

Luiz Marins, Ph.D.

Afinal que Brasil é este? O que está realmente acontecendo com o Brasil? Afinal por que estão as maiores empresas americanas e européias afirmando que seu maior portfólio de investimentos para os próximos 10-15 anos será nesta região do mundo? Será que viraram devotos de NS Aparecida do dia para a noite?
Acredito que seja o momento de passarmos de uma consciência ingênua para uma consciência crítica sobre o momento atual brasileiro. Nos corredores do Fórum Econômico Mundial em Davos os ministros e autoridades declaravam sua intenção de investir no Brasil nos próximos anos o que nunca haviam pensado. Afinal que mercado é este?
Vejo jovens confusos sobre o Brasil. Os jornais mostram a desgraça, o estupro, as balas perdidas... e esse pessoal continua vindo para o Brasil? As empresas espanholas e portuguesas acabam sendo maiores aqui do que na pópria Espanha e Portugal e assim por diante. Acho que está na hora de explicar o Brasil com dados – dados de pesquisa – dados sérios, em vez do "chutômetro" aplicado a todo o momento para nos confundir.
Um exemplo digno é o divulgado em abril deste ano, nos 500 anos do Brasil. Todos os jornais estamparam para o mundo todo que éramos 5 milhões de índios no Brasil em 1500. Ora, se há dúvidas de quantas pessoas exatamente vieram nas caravelas em 1500, como é que sabemos que éramos 5 milhões de índios em 1500 no Brasil? Quem contou? Qual o IBGE da época ou GPS que mediu os 5 milhões? Algum louco, com base em especulações referentes à mortalidade infringida pelos espanhóis no México, chegou à conclusão absolutamente absurda de que éramos 5 milhões e isso virou "verdade"! E assim logo dizemos que temos 120.000 desabrigados nas ruas de São Paulo, 45 milhões de miseráveis, etc., etc. Até quando seremos obrigados a engolir essas verdadeiras barbaridades?
Para passarmos de uma consciência ingênua para uma consciência crítica e compreendermos o que está acontecendo, temos que saber que o mundo tem o que se chama de "mercados maduros". "Mercado maduro" é o mercado em que o crescimento do consumo é equivalente ao incremento vegetativo da população – ou seja – se a população cresce aumenta o consumo. Se não cresce o consumo continua estático. Assim o consumo de cerveja nos EUA, por exemplo, cresceu 2% acumulado nos últimos 5 anos e deverá crescer apenas 2% nos próximos cinco anos. No Japão 35 prefeituras exigem um atestado que diga que você tem onde colocar seu carro para que um concessionário possa vender um automóvel novo a você – problema de espaço vital. O consumo de biscoitos na Inglaterra não cresce há dez anos. Esses mercados maduros – EUA, Europa e Japão – onde se encontram as empresas igualmente maduras – IBM, Toyota, Electrolux, etc. – precisam de mercados emergentes – onde o crescimento do consumo seja maior do que o incremento vegetativo da população. Quais são esses maiores mercados hoje no mundo? Brasil, Índia e China.
Mas não nos iludamos muito com a China. A China tem 76% de sua população em campesinato. A Índia 72% e o Brasil apenas 22%. Assim, o país pronto para consumir produtos ocidentais de alguma tecnologia que não seja bicicleta, alfanje, etc. é o Brasil e por extensão o Mercosul. Por isso estão todos aqui e querendo investir mais e mais aqui. O mercado brasileiro, segundo dados da Nielsen, cresceu nos últimos 5 anos:

859% em fraldas descartáveis
369% em mistura para bolos
310% em alimentos para gatos
282% em leite flavorizado
273% em alimentos para cães
219% em leite longa vida
201% em massas instantâneas
176% em cereais matinais
116% em carnes congeladas
81% em água mineral

Fonte: AC Nielsen

O Brasil é hoje um mercado que apresenta alguns dados impressionantes:

1,3 milhão de lavadoras de roupa

82% mais que no Canadá

4o. Maior mercado do mundo

8,02 trilhões de litros de refrigerantes

343% mais que no Canadá

3o. Maior mercado do mundo

US$1,3 bilhão em alimentos "diet ou light"

US$100 milhões em 1990

US$6 bilhões em 2010

63,4 mil toneladas de creme dental

456% mais que na Itália

51,4 mil títulos de livros

12% mais que a Itália

US$1,2 bilhão em CD’s

5o. maior mercado fonográfico do mundo

681,9 mil toneladas de biscoito

27% mais que o Japão

2o.maior mercado do mundo

3 milhões de geladeiras

66% maior que o Reino Unido

4o.maior mercado do mundo

8,9 milhões de usuários da Internet

95% das declarações de IR foram enviadas via Internet

Vejamos apenas dados referentes às residências no interior de São Paulo:

97% tem geladeira;
94% tem TV em cores;
91,3% tem Máquina de Lavar;
78,3% tem Videocassete;
33,3% tem Freezer.
Fonte: SEAD - Pesquisa de Condições de Vida

E é importante que saibamos que somente a chamada classe média e emergente no Brasil hoje representa

32 milhões de famílias: (IBGE)

Assim, só a classe média e emergente no Brasil é:

8% maior que a população da Alemanha.
Maior que a República Checa, Bélgica, Hungria, Portugal, Suécia, Áustria, Suíça, Finlândia, Dinamarca, Noruega, Irlanda, Nova Zelândia, Luxemburgo e Islândia juntos.
É maior que a França e Canadá juntos.
Equivale a um terço da população dos Estados Unidos.
Equivale a 72% da população do Japão.

Nós também não temos consciência de que o Brasil representa 42% do PIB da América Latina incluindo o México e seu PIB representa 13,3% do PIB total dos países em desenvolvimento, incluindo a China.

E que:

Todo o PIB da Argentina ...

Equivale ao Interior do Estado de São Paulo

Todo o PIB do Chile ...

Equivale ao Grande Campinas (Ernest & Young)

Todo o PIB do Uruguai ...

Equivale ao bairro de Santo Amaro em São Paulo

Também não temos muita consciência de que o desemprego no Brasil é medido pelo IBGE em apenas 5 grandes cidades e com base no seguro desemprego. Assim temos os dados (maio 2000) que o desemprego é de 7,9% - Brasil - medido apenas em Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio, São Paulo, Porto Alegre.
Se o desemprego do setor secundário (indústria) é grande, temos o terciário da economia (comércio e serviços) como o grande gerador de emprego e renda do século XXI.
Assim, alguns dados merecem uma análise:

Veja:
O Shopping Center de Recife tem 7.500 funcionários . O Shopping São Luís (MA) 5.000 funcionários. O Hotel Transamérica de Comandatuba, 860 funcionários.
Só os supermercados no Brasil são 25.000 empresas, 55.000 lojas, 667.000 empregos diretos e 2 milhões de empregos contando com promotores, degustadores e fornecedores.
Só as 54 maiores agências de publicidades do Brasil, geram 4.369 empregos diretos e a maioria do pessoal de uma agência é terceirizado.
As nove maiores empresas de telemarketing sozinhas (contando somente operadores próprias) geram mais de 34.000 empregos.
É preciso compreender que as empresas multinacionais estão investindo aqui porque O Brasil é o 9o. País do mundo em Poder de Compra com mais de US$1 trilhão de dólares em Purchasing Power Parity. Hoje o ranking é:

EUA, China, Japão, Alemanha, Índia, França, Inglaterra, Itália, Brasil;
A previsão é que passe para o 5o. lugar em 2001, atrás da Alemanha.

Assim temos que definitivamente compreender que é por tudo isto que o mundo não pode permitir que o Brasil quebre. Todo o mundo sabe que se o Brasil quebrar....

O México quebra 30 minutos depois...
A Argentina quebra 15 minutos depois...
O Chile quebra 5 minutos depois...
O Paraguai ....

Pense nisso. Passe de uma consciência ingênua para uma consciência crítica a respeito do Brasil. Se somos 32 milhões de pobres somos também 137 milhões de "não-pobres" e isso quer dizer muita coisa num mundo de mercados maduros.