VELOCIDADE NA ADMINISTRAÇÃO

Claudio de Oliveira Cabral

Parece que agora o mundo se divide entre os rápidos e os lentos e isto não é uma mera questão metafórica, nações inteiras enfrentam um fato inexorável: a sobrevivência do mais rápido. Obviamente isso afeta diretamente as empresas, que não podem "ficar para trás" sob o risco de suas próprias extinções.

Necessitamos estar atentos para alguns choques culturais e administrá-los da melhor forma possível. Por exemplo algumas parcerias entre empresas malogram quando um fornecedor mais lento deixa de cumprir os prazos combinados, e isso em parte ocorre porque os funcionários da empresa mais lenta desconhecem o quão importante é o tempo para a empresa parceira, não fazem idéia dos prejuízos advindos do atraso. Mas por que isso ocorre? Porque é preciso fazer com urgência uma mudança de cenário, ver como o cumprimento dos prazos é importante e colocar-se no lugar da outra empresa, fato que dificilmente ocorre no mundo empresarial.

Podemos trazer isto para o dia-a-dia das organizações, observamos empregados que vivem no "ritmo tartaruga" sem se importar com o restante da empresa, pessoas assim precisam urgentemente romper com velhos paradigmas que são expressos em frases como: "é devagar que se vai ao longe", "os últimos serão os primeiros", e outras que não coadunam mais com o cenário atual de constantes mudanças. Mas é importante estarmos atentos para a relação rapidez X desempenho. Faz-se necessário compreender que uma não é oposta a outra e sim devem caminhar juntas, tarefas devem ser feitas com rapidez e eficiência, assim o bom desempenho será conseqüência.

Não podemos no entanto, sair correndo sem um rumo, sem objetivos previamente estabelecidos pela equipe de trabalho, aliás, obviamente objetivos tem necessariamente prazos, estabeleça-os e cumpra-os, mas com em tudo na vida devemos flexibilizar, acidentes de percurso acontecem, principalmente em um mundo globalizado e interdependente como o atual.

Podemos ainda fazer algumas analogias com algumas empresas em busca do ideal. Existem basicamente cinco tipos de empresas ou administradores quanto a velocidade e comportamento diante do mercado: 1) A Empresa Carroça - é aquela que ainda vive na Era da Pedra, se utiliza de tecnologias ultrapassadas e já está em fase de extinção por ser lenta demais.

2) A Empresa Carro - esta já possui um motor que pode impulsioná-la a maiores velocidades, usa tecnologia moderna, mas não o suficiente para competir em alta velocidade.

3) A Empresa Trem - por sua vez, esta alcança grandes velocidades, vive num ritmo frenético, tão rápido que não consegue observar os detalhes, nuances do mercado em que se encontra.

4) A Empresa Avião - é aquela que voa, utiliza a tecnologia de ponta, pode alcançar grandes alturas, entretanto tende a ver o mercado muito do alto, pode ficar sem combustível e desabar no chão.

5) A Empresa Helicóptero - também voa, se utiliza de tecnologias modernas, alcança boa velocidade, entretanto voa alto (tem visão panorâmica) e voa baixo(observando os detalhes), poder-se-ia dizer que é a empresa ideal quanto a velocidade.

Poderíamos fazer analogias ainda com diversos outros meios de transporte, mas estes cinco exemplos já são o suficiente para fazer-nos refletir sobre como estamos nos comportando dentro de nossas empresas e como as mesmas estão no mercado, de forma a que busquemos o aperfeiçoamento suficiente para estarmos com a velocidade adequada, preferencialmente situados na vanguarda.

Claudio de Oliveira Cabral - Consultor em RH Pós graduado em Comportamento Humano nas Organizações - Tel/fax(021) 331-5508 Email claudiococ@bridge.com.br